Somebody’s Waiting

Costurando estilos que influenciaram seus 30 anos de carreira, iniciada com a banda Heróis da Resistência, um dos representantes da explosão do rock nacional nos anos 80, o guitarrista e compositor Jorge Shy está lançando seu terceiro CD solo, “Somebody’s Waiting”. As 8 faixas instrumentais do novo álbum combinam os traços roqueiros do músico paulistano com a formação acadêmica na Berklee College of Music (Boston, EUA), o aprimoramento no Jazz e no Blues e, principalmente, a influência erudita do violão e da música do maestro argentino Astor Piazzola.

“Somebody’s Waiting” (à venda nas lojas e para download no iTunes) se segue ao elogiado “Crossing Path”, CD instrumental lançado em 2013. A obra recebeu aplausos de mestres como o maestro Julio Medaglia, para quem Shy revelou-se um músico “sofisticadíssimo”, capaz de passear com facilidade entre Barney Kessel, Wes Montgomery e Eric Clapton. “E, quando quer, bota um balanço no violão que esses três não sabem fazer”, ressaltou o maestro em seu elogio ao guitarrista.

Já o novo álbum segue uma linha mais jazzística e menos experimental. A sonoridade suave e sutil reforçam a personalidade musical de um profissional maduro, definido pelo crítico Nick de Riso, do jornal “USA Today” , como um guitarrista que combina ideias, conceitos e texturas diferentes com “efeito brilhante”.
Embora não abra mão de flertar com diferentes estilos, assim como o grande homenageado Piazzola fez ao revolucionar o tango, Shy procurou produzir uma obra mais coesa. Para isso se cercou de músicos que já o acompanharam antes, traduzindo as melhores características do instrumental brasileiro. Shy, Marcos Flo (baixo acústico) e Caio Milan (bateria) compõem um trio que está junto desde 2008. A eles se juntaram Ricardo Pacheco e Chaves (piano), Israel Ring (sax) e Rubens de La Corte (violinista da “consagrada” Eliane Elias e morador de Nova York) _ todos eles colegas de Shy durante os anos de formação musical em Berklee. O CD conta ainda com o trompete de Rubinho Antunes, que está ajudando a revitalizar a cena jazzística contemporânea de São Paulo, e o cello de Sandra Tornicce.

Gravado entre julho de 2014 e março de 2015, o novo CD de Jorge Shy não busca uma única definição estilística, mas ao mesmo tempo oferece aos fãs da música instrumental uma obra consistente, que se complementa a cada composição.